en   es   gl   pt  
Pesquisar

This content has been archived. It may no longer be relevant

HOME / GRANDES MESTRES /

BERNARDO HOUSSAY

Nascimento:

10 de abril de 1887
Falescimento:

21 de setembro de 1971
Nacionalidade:

Argentina
Campos de Atuação:

Medicina, química, farmacologia, fisiologia e biologia
Prêmiação:

Medalha Banting (1946 e 1963)
Nobel de Fisiologia ou Medicina (1947)

Bernardo Alberto Houssay foi um cientista argentino ganhador do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina. Filho de imigrantes franceses, nasceu em Buenos Aires, Argentina, no ano de 1887. Sempre demonstrou um intelecto admirável e precoce, ingressando na Escola de Farmácia da Universidade de Buenos Aires com apenas 14 anos. Três anos depois ele passou a estudar na Faculdade de Medicina da mesma cidade, permanecendo lá entre 1904 e 1910. No seu quarto ano em medicina, Houssay assumiu o cargo de professor assistente. Após a conclusão do curso de medicina ele apresentou sua tese sobre atividade fisiológica da hipófise, texto então publicado em 1911. O tema apresentado seria uma constante em toda a sua carreira como pesquisador.

Nessa mesma época ele iniciou um consultório particular em sua cidade natal e atuou como médico assistente no Hospital Municipal de Buenos Aires. Após o doutoramento, Houssay também assumiu o cargo de professor de fisiologia da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de Buenos Aires (UBA). Em 1913 tornou-se médico chefe do Hospital Alvear e em 1915 chefe da seção de patologia experimental dos Laboratórios Nacionais de Saúde Pública de Buenos Aires.

Em 1919 Houssay assumiu uma cadeira de professor de fisiologia na Faculdade de Medicina da UBA. A partir dessa posição organizou o Instituto de Fisiologia da instituição e o transformou em um departamento de pesquisa que gozava de prestígio internacional. Em 1943, porém, o governo ditatorial argentino o afastou de seu cargo na Universidade por conta de suas ideias de caráter político liberal e por seu apoio à volta da democracia plena no país. Um dos comportamentos observados que não era bem visto pela ditadura argentina eram os intervalos diários promovidos por Houssay no departamento, nos quais o professor promovia coffee breaks servidos sempre às 9h e às 15h. Esses momentos eram de confraternização e troca de ideias entre estudantes, funcionários e professores. Contudo, os governantes da época entendiam aquilo como uma possível semente de contestação ao regime militar vigente.

Depois de ser afastado da Faculdade de Medicina da UBA, Houssay decidiu dar continuidade ao seu trabalho em seu país de origem, negando inúmeros convites para levar suas pesquisas para outras nações. Para tanto contou com financiamento privado de diversas entidades, criando então o Instituto de Biologia e Medicina Experimental, o qual funcionava inicialmente na residência do Dr. Eduardo Braun-Menendez.

Medalha do Prêmio Nobel

Foi durante esse período que Houssay recebeu seu mais alto reconhecimento científico: o Prêmio Nobel em Medicina ou Fisiologia, concedido a ele em outubro de 1947 por sua pesquisa experimental relacionada ao papel que a adenohipófise desempenha no metabolismo de carboidratos. A pesquisa premiada fora iniciada na década de 1930 quando o pesquisador havia demonstrado o efeito diabetogênico do hormônio de crescimento produzido pela adenohipófise e a diminuição da gravidade do diabetes com a hipofisectomia. Seus resultados estimularam o estudo de mecanismos de controle hormonal os quais ocorrem basicamente em todos os órgãos do organismo. Com o Prêmio Nobel, Houssay tornou-se o terceiro latino-americano condecorado e o primeiro a receber a premiação de caráter científico.

Além da sua pesquisa relacionada a adenohipófise, Houssay trabalhou em muitos outros tópicos da ciência, incluindo dentre eles o estudo dos sistemas circulatório, respiratório, imunológico, nervos e digestivo. A partir desses estudos o pesquisador publicou mais de 500 artigos e vários livros didáticos, incluindo o fundamental título Fisiologia Humana (Editora Guanabara, 5ª ed.), o qual foi referência do Prof. Elisardo Corral Vasquez, adotado posteriormente em suas aulas.

Em 1955, com a deposição do então ditador Juan Domingo Perón, Houssay reassumiu o cargo de professor na Faculdade de Medicina da Universidade de Buenos Aires, além da liderança do Instituto de Fisiologia da instituição. Sua importância no ensino durante sua vida se reflete em muitos de seus discípulos que tornaram-se figuras influentes na pesquisa mundial. Nomes como Braun-Menendez, co-descobridor da angiotensina, Miguel Rolando Covian, pesquisador fundamental na neurofisiologia do Brasil, e Eduardo Moacyr Krieger, importante cientista da fisiologia cardiovascular brasileira, são apenas alguns exemplos de cientistas que iniciaram suas carreiras sob a tutela do Prof. Houssay.

Ao longo de sua carreira, Houssay foi agraciado com títulos honorários em vinte e cinco universidades. Tornou-se também membro da Academia Nacional Argentina de Medicina, da Academia de Letras do mesmo país, da Academia de Ciências Morais e Políticas de Buenos Aires e da Pontifícia Academia de Ciências. Foi professor honorário de 15 universidades, associado estrangeiro de 11 academias ou sociedades científicas, membro honorário ou correspondente de 38 academias, 16 sociedades de Biologia, 11 de endocrinologia, 7 de fisiologia e 5 de cardiologia. Por fim, ele foi condecorado em diversos países espalhados por todo o mundo.

Houssay faleceu no dia 21 de setembro de 1971 aos 84 anos. Foi sepultado em sua cidade natal, Buenos Aires.

O grupo argentino pioneiro em fisiologia cardiovascular: (1) Taquini, (2) Braun-Menendez, codescobridor da angiotensina, (3) Houssay e (4) Leloir, Ambos ganhadores do Prêmio Nobel.

Rolar para cima